versão 8.1

Pages: (2) 1 2  ( Go to first unread post )
responder
novo tópico
fazer enquete

 Chapter 1 ~ New Beginning, Brutthus
Brutthus
 Posted: Jul 2 2018, 11:08 AM
citar


Brutthus




Aventureiro



50 posts

Ficha

Brutthus is Offline

Estagiário




Chapter 1 ~ New Beginning


Era manhã de um novo dia, os raios de sol passavam por dentre o emaranhando de construções da cidade e atingiam o corpo de Dastan em cheio, aquecendo-o e dando a sensação de vida que o frio da noite havia roubado.

Era cedo e ainda não havia muita movimentação, os poucos moradores que andavam pelas ruas pareciam ainda não ter acordado, esses poucos ainda caminhavam em direção aos seus oficios. Alguns comerciantes arrumavam suas tendas na feira, outros apenas levavam seus carrinhos cheios de encomendas pelas vias de paralelepípedo enquanto bocejavam.

Ainda inerte no meio da cidade, Dastan sentia a energia voltar ao seu corpo, despertava quando um comerciante passava próximo a ele e quase se esbarravam, pois o mesmo coçava os olhos enquanto caminhava e bocejava.

Um pedido de desculpas, na forma de um leve aceno com a cabeça e tudo estava ok!


"Yosh! Hoje começo mais uma exploração!"

Haviam passados alguns meses desde que os irmãos Faruk decidiram que seguiriam caminhos diferentes. Dastan não tinha noticias de seu irmão durante todo esse tempo, apenas podia supor que estava bem, afinal não era um qualquer.

Durante esses meses o jovem arqueólogo havia se permitido sobreviver de pequenos serviços dentro da cidade, mas a essa altura o dinheiro estava escaço e se sentindo completamente recuperado, estava pronto para sair em mais uma aventura.

Os desertos de Solaria são repletos de ruínas e eram em direção a alguma dessas que inicialmente pensava em tomar prumo.


Spoiler
Bom dia, boa tarde ou boa noite!!!

Primeiramente obrigado por assumir minha adv! Já joguei RPG de fórum por alguns anos, porém tenho tantos anos quanto sem jogar. Por isso perdoe esses primeiros posts pois serão bem ruins mesmo até pegar ritmo.

Meu template é simples, Itálico para pensamentos e negrito para narração.

Sou muito tranquilo com relação a narração, sinta-se muito livre para tomar as decisões que achar necessárias. Gostaria inclusive de pedir um pouco de direcionamento de sua parte nessa primeira aventura.

Att,

--------------------
mp
^
T. Wall
 Posted: Jul 4 2018, 05:34 PM
citar


T. Wall




N/A



256 posts

Ficha

T. Wall is Offline

Narrador




user posted image


A manhã começava agitada na área civil de uma das ilhas de Solaria, o antigo reino combatente. O sol nascia forte por aquelas bandas do North Blue, iluminando e dando calor no começo da manhã. Muitas pessoas acordavam cedo, já com luz, para começar a transportar e aprontar seus negócios.

Com Dastan não seria diferente. Muito embora seu negócio estava mais para a área de serviços. Faziam alguns meses desde que os irmãos conhecidos como "Greedy Bastards" por aquelas bandas se separaram.

(Off: Como Dastan se sentia com relação a partida do seu irmão? Quais foram os "rumos diferentes" que estes adotaram? Explique no próximo post!)

Recuperado, mas com pouco dinheiro, Dastan decide que o melhor caminho seria fazer uma expedição às Dunas do Sol, o grande deserto de areia onde se escondiam muitos segredos e itens valiosos. Porém, cada vez mais se tornava difícil e perigoso se aventurar por aquelas bandas, você sabia muito bem disto.

Assim, como você pretende se preparar para ir rumo ao deserto? Vai sozinho? Tem algum objetivo específico? Vai comprar provisões e, principalmente, água? E como vai fazer para obter esses itens com pouco dinheiro?

Rodada: #01
@Brutthus

--------------------
mp
^
Brutthus
 Posted: Jul 4 2018, 10:36 PM
citar


Brutthus




Aventureiro



50 posts

Ficha

Brutthus is Offline

Estagiário




Assim que o horário de "expediente" começasse Dastan sabia que não poderia perder muito tempo mais dentro da cidade, afinal havia decidido rumar em direção as Dunas do Sol, precisaria comprar o básico e necessário para suportar o deserto, com o pouco dinheiro que lhe havia restado.

"Droga, se ao menos o Hassad estivesse aqui, saberia onde poderia comprar suprimentos com algum desconto significativo." pensava o rapaz enquanto coçava a cabeça.

Aquela não foi a primeira e nem a ultima vez que o arqueólogo havia sentido falta de seu irmão, sempre foram muito unidos e os últimos meses foram os primeiros que passaram afastados um do outro.

Mas apesar do sentimento de falta que sentia, no fundo, Dastan sabia que era necessário. Desde a morte de seus pais, os irmãos haviam apenas sobrevivido, haviam lutado, explorado, vendido e comprado, mas sabiam que havia muito mais no mundo para fazer e mais importante, muito mais o que conquistar.

Àquela altura nenhum dos dois irmãos tinham certeza do que queriam para si, além de uma pirâmide repleta de ouro. Então decidiram que iriam encontrar cada um seu caminho, uma forma de crescer, viver e mais importante tornarem-se ricos e importantes.

Dastan queria viver aventuras, encontrar relíquias indescritíveis, superar seu pai como arqueólogo, obter riquezas dos impérios antigos, obter informações impossíveis e o primeiro passo para isso tudo era explorar as Dunas do Sol e conseguir dinheiro suficiente para poder sair de Solaria.

Os irmãos sabiam que o destino trataria de uni-los em algum momento da história, desde que estivessem seguindo seus sonhos.


"Ainda me restam 100.000 Berries, preciso pelo menos de um cantil e água antes de iniciar minha jornada." pensava, enquanto rumava em direção a área comercial da cidade, aquelas horas provavelmente as primeiras lojas/tendas já deveriam estar começando a funcionar.

@T. Wall

[SPOILER=Off]Irmão, gostei bastante de sua postagem. Simples mas bastante interpretativa, nunca tinha jogado com um GM que questionasse em um poste assim, gostei.

Aos poucos minha narração vai melhorando, releve um pouco a ferrugem kkkkk[/SPOILER]

This post has been edited by Brutthus: Jul 4 2018, 10:39 PM
mp
^
T. Wall
 Posted: Jul 5 2018, 09:41 AM
citar


T. Wall




N/A



256 posts

Ficha

T. Wall is Offline

Narrador




Após refletir um pouco sobre seu irmão e o rumo tomado, Dastan tinha um objetivo muito claro: conseguir dinheiro para deixar Solaria para trás.

E a forma mais útil de conseguir esse objetivo seria se aventurando pelas Dunas do Sol utilizando os conhecimentos adquiridos com seu pai na arqueologia. Ir sozinho, normalmente, seria loucura. Mas como Dastan tinha bastante experiência naquela ilha e, sobretudo, em seus caminhos decidiu que apenas um cantil e água seriam suficientes (será?) para seguir jornada.

É preciso lembrar, Dastan, que Solaria é um clima desértico e não parece muito prudente viajar sem provisões.

Assim que chega na área comercial, encontra várias pessoas terminando de arrumar e limpar suas barracas e tendas. Tão logo, percebe um homem com turbante roxo, chamando-o:

Kalifhar: Dastan, Dastan! - Você o conhecia, Kalifhar é um dos mercadores de especiarias mais antigos de Solaria e amigo de seu pai no passado. Um senhor de meia idade, bastante astuto e bom de negócio. - Como vai, jovem Faruk? Onde está o Mossad? Veja... não está interessado em fazer um serviço para esse seus velho amigo? - Indaga o mesmo, já lançando a proposta: - Recebi uma encomenda muito específica de um pessoal que está passando pela ilha. Trata-se de um Ethernal Pose, uma espécie de ampulheta perdida nas Dunas do Sol, numa ruína próxima da pirâmide abandonada de Hamsés XI. As pessoas que encomendaram estão pagando bem, algo em torno de B$ 2.000.000,00 de berries, te dou quarenta por cento do valor e me encarrego da venda e te financio com B$ 350.000,00 em produtos para viagem, o que me diz?

A proposta parecia tentadora e alinhada com os seus interesses. Aceitaria?

Rodada: #2
@Brutthus

QUOTE (Off)
O código de spoiler não comporta o "=off" como o quote.
Fico feliz que tenha gostado. Desde a minha volta como Narrador (estagiário) eu tenho adotado essa linha narrativa que se parece muito com um RPG de Mesa que joguei muito ano passado, o Dungeon World. Tem dado certo e para mim é muito mais confortável deixar as decisões ao jogadores e criar em cima disso. Sigamos!


This post has been edited by T. Wall: Jul 5 2018, 09:43 AM
mp
^
Brutthus
 Posted: Jul 5 2018, 02:38 PM
citar


Brutthus




Aventureiro



50 posts

Ficha

Brutthus is Offline

Estagiário




Após decidir-se que iria iniciar sua primeira aventura sozinho, Dastan resolveu que tomaria as últimas providencias antes de sair em sua jornada. Logo nas primeiras horas do dia resolveu ir até a área de comércio da cidade onde poderia comprar suprimentos para sua primeira viagem.

A proposta inicial era partir em direção as Dunas do Sol, área desértica de Solaria conhecida pelas suas ruínas e misteriosos itens esquecidos.

Assim que chegou onde as tendas e lojas ficavam ouviu alguém lhe chamar.

Kalifhar:
- Dastan, Dastan! a voz lhe era familiar, ao olhar ao redor pôde ver um homem lhe acenando de uma barraca. Aquela pessoa de turbante roxo logo foi reconhecida e era alguém muito familiar a Dastan, afinal era amigo de seu pai.

Dastan:
- Bom dia Kalifhar! respondia enquanto se aproximava de onde Kalifhar estava.

Kalifhar: - Como vai, jovem Faruk? Onde está o Mossad? Veja... não está interessado em fazer um serviço para esse seus velho amigo? -

Dastan conhecia bem aquela figura, Kalifhar é um comerciante de especiarias mais antigos de Solaria, se alguém podia ajudar o jovem arqueólogo era ele.

Dastan:
- Tempos difíceis! Mas me diga em que poderia lhe ajudar? respondia com uma expressão meio sem graça no rosto enquanto coçava atrás da orelha, afinal não gostaria de falar sobre sua vida pessoal naquele momento.

Kalifhar: -
Recebi uma encomenda muito específica de um pessoal que está passando pela ilha. Trata-se de um Ethernal Pose, uma espécie de ampulheta perdida nas Dunas do Sol, numa ruína próxima da pirâmide abandonada de Hamsés XI. As pessoas que encomendaram estão pagando bem, algo em torno de B$ 2.000.000,00 de berries, te dou quarenta por cento do valor e me encarrego da venda e te financio com B$ 350.000,00 em produtos para viagem, o que me diz?

"Dois milhões de Berries!?" os olhos do rapaz podiam brilhar cifrões, mas ele lutava para não perder a compostura.

Dastan:
- Quando posso partir!? Zhehaaaahaaahaahaaaa - abria um sorriso largo - além dos produtos de viagem irei precisar de um guia e um camelo que possa nos transportar até lá.

"Nos não combinamos nada sobre outras relíquias que eu possa encontrar lá" sorria por dentro.

@T. Wall
mp
^
T. Wall
 Posted: Jul 6 2018, 08:16 PM
citar


T. Wall




N/A



256 posts

Ficha

T. Wall is Offline

Narrador




Kalifhar: Ora, ora... podes partir agora mesmo se é o desejas! - Disse o mercador, abrindo um sorriso safo. Em seguida, ouviu as reivindicações do aventureiro, olhando-o. - Como disse, posso te financiar em até B$ 350.000,00, somente um camelo custa B$ 150.000,00 e um guia para aquelas bandas não deve durar ser menos de B$ 50.000,00...

?: Na verdade o valor justo seria B$ 98.000,00... - Uma voz surgiu atrás de você. Kalifhar levanta a sobrancelha e, quando você se vira:

user posted image


Uma mulher solariana de aproximadamente trinta anos, utilizando roupas típicas. Ela tinha algumas tatuagens nas bochechas que indicavam ser uma iniciada, uma guerreira da areia, e seus olhos eram âmbares. Ela faz uma reverência, dizendo:

?: Meu nome é Nádia, se quiserem ir até as Dunas do Sol, posso levá-los. Fui criado com os Nômades da Areia. As dunas são minha segunda casa...

Kalifhar: Huuum... parece adequado, está contratada! - Disse, sem muita cerimônia e você também não teve como recusar. Afinal, era ele quem estava pagando mesmo. Assim, vocês passam meia hora escolhendo um camelo e comprando: 1) água suficiente para quinze dias de viagem; 2) provisões em rações para quinze dias de viagem; 2) 30m de corda; 3) lanternas; 4) colchonetes. Aqueles itens pareciam servir para a viagem. Isso, pelos B$ 350.000,00 prometidos como financiamento.

Se quiser comprar algo a mais, agora é a hora. Do contrário, narre como foi que vocês dois montaram no camelo (quem foi na primeira corcunda e quem foi na segunda) e relate as primeiras horas de viagem. Sinta-se livre para descrever as impressões, sob o ponto de vista do seu personagem, sobre o clima, a geografia e, sobretudo, de Nádia.

Rodada: #3
@Brutthus

This post has been edited by T. Wall: Jul 6 2018, 08:18 PM
mp
^
Brutthus
 Posted: Jul 7 2018, 08:33 AM
citar


Brutthus




Aventureiro



50 posts

Ficha

Brutthus is Offline

Estagiário




Kalifhar: - Ora, ora... podes partir agora mesmo se é o desejas! - Disse o mercador, abrindo um sorriso safo. Em seguida, ouviu as reivindicações do aventureiro, olhando-o. - Como disse, posso te financiar em até B$ 350.000,00, somente um camelo custa B$ 150.000,00 e um guia para aquelas bandas não deve durar ser menos de B$ 50.000,00... -

"150.000 Berries por um camelo!?" parecia inconformado.

- Na verdade o valor justo seria B$ 98.000,00... - ouvia de uma voz de alguém que falava por de trás dele.

"A quanto tempo essa pessoa está ai ouvindo nossa conversa e eu não fui capaz de notar!?" Dastan sempre fora extremamente perceptivo e aquela pessoa a espreita ouvindo sua conversa não lhe passou confiança. "E mais importante, 98.000 Berries!? Que absurdo, previso ir sozinho."

Nádia: - Meu nome é Nádia, se quiserem ir até as Dunas do Sol, posso levá-los. Fui criado com os Nômades da Areia. As dunas são minha segunda casa...

Dastan não estava contente com aquela situação, mas antes mesmo que pudesse abrir sua boca para comentar alguma coisa foi sobreposto por Kalifhar.

Kalifhar: - Huuum... parece adequado, está contratada! essa era uma resposta bastante inadequada para um mercador tão experiente, como poderia confiar em alguém que aparece do nada e convenientemente havia escutado toda a conversa? Aquelas terras áridas de Solaria já não eram mais confiáveis e talvez o mercador de meia-idade não estivesse ciente disso.

"Essa é uma péssima ideia! Ele não apenas está desperdiçando meus preciosos Berries, como pode estar colocando toda nossa jornada em risco." pensava enquanto olhava de canto de olho para a mulher e fazia uma expressão de criança amuada.

Dastan:
- Pelo visto minha opinião é desnecessária... - Pegava a bolsa de moedas, contendo os 350.000 Berries, da mão ou da bancada de Kalifhar, prendia no seu cinto, dava as costas e com ambas as mãos atrás da cabeça caminhava a passos largos. - Vamos Guia, não temos tempo a perder. -.

Os próximos trinta minutos da manhã gastaram comprando os itens para a viagem e suas necessidade, mas podemos resumir da seguinte forma, Nádia sensata exigia os itens necessários para aquela travessia enquanto Dastan veemente brigava por cada moeda que era gasta. Podemos imaginar cenas como os dois brigando pela bolsa de moedas enquanto estavam no meio do comércio, ou Dastan tentando tirar alguns metros de corda do cesto para pagar um pouco menos. "Ração para 15 dias!? Eu posso ficar pelo menos 5 dias sem comida" pensava e fazia bico, chateado, cada berrie gasto era uma alfinetada no coração do arqueólogo.

Ao final das compras estavam com uma lista de suprimentos:

- água suficiente para quinze dias de viagem;

provisões em rações para quinze dias de viagem;

30m de corda;

lanternas;

colchonetes.

Dastan:
- Eu te disse que podia dormir no chão, porque dois colchonetes!!!! -

user posted image

Em seguida olhava para a bolsa que Kalifhar havia lhe dado e estava vazia. Olhava mais uma vez e não tinha uma única moeda ali dentro, então a virava de cabeça para baixo e então, só então, se dava conta, não havia mais um tostão dos 350.000 Berries que havia conseguido de financiamento.

user posted image

Se já não tinha boas impressões daquela mulher, agora com toda certeza do mundo não gostava dela, havia, na concepção de Dastan, desperdiçado todo dinheiro que havia conquistado, afinal na cabeça do caçador podia atravessar o deserto gastando pelo menos 50.000 Berries. Obviamente ele não conseguiria!

Dastan:
- Anda vamos em bora. - Levantava e enxugava as lágrimas dos olhos com seu lenço.

Birrento subia no camelo e sentava na segunda corcunda com os braços cruzados, estava "fechado" para aquela mulher, ela era a guia deveria direcionar aquela expedição. O camelo partia e apesar de acostumado montar numa camelo não é fácil, principalmente enquanto Dastan não queria qualquer contato com Nádia.

O clima seco e quente logo se fazia notar, não que na capital também não fosse assim, porém a ausência de sombras os deixava diretamente expostos ao Sol e os fatores climáticos. Cada minuto naquele clima era cansativo psicologicamente e fisicamente, é necessária uma grande força de vontade para cruzar qualquer deserto, mas movido pela sua ambição Dastan se esforçava.

Mesmo acostumados ao clima, afinal os dois tinham histórico naqueles Dunas, não podia-se dizer que não sentiam os fatores climáticos.

"Espero que não demore mais que o normal" o arqueólogo já havia atravessado aquelas Dunas algumas dezenas de vezes ao longo de sua vida e sabia que o deserto é uma caixinha de surpresa, vários fatores poderiam influenciar no tempo de viagem e aquela altura só desejava que nada acontecesse.
CHAPTER 1 ~ NEW BEGINNING


This post has been edited by Brutthus: Jul 7 2018, 09:20 AM
mp
^
T. Wall
 Posted: Jul 7 2018, 04:35 PM
citar


T. Wall




N/A



256 posts

Ficha

T. Wall is Offline

Narrador




QUOTE
Off: Gostaria de pedir dois favores. Poderia aumentar o tamanho da letra do post? Não me importo com o tamanho o post em si, mas o tamanho da letra me incomoda. O segundo pedido é com relação a forma como está copiando as falas. Nada contra, é um recurso que uso também como jogador. Mas tente focar mais no seu personagem e não em reproduzir o que já foi dito no meu.

Abraços!


Apesar da reclamação, Dastan tinha consciência que as compras eram necessárias para a viagem. Quando costumava viajar com seu pai, costumava levar alguns itens em excesso, sobretudo água. Afinal, o deserto é severo e pode pregar peças.

Apesar da birra explicitamente criada pelo arqueólogo, Nádia se mostrava bastante compenetrada com sua tarefa. Os "guerreiros da areia" é um povo nômade que vive nas Dunas do Sol. A maioria deles ganham a vida como guias, como Nádia. São verdadeiros especialistas em rastreio e navegação na ilha.

Os ventos e o tempo mudam a ordem das dunas todos os dias e é preciso ter muito conhecimento para saber o caminho correto a se tomar.

(...)
user posted image


No quinto dia de viagem, vocês estavam rumando em cima do camelo há quase três horas seguidas. A água gota d'água do sexto cantil (de quinze) mostrava que deveria ter trazido mais água.

Sua cabeça fervia por baixo do chapéu/turbante que usava para proteger do sol forte (fazia algo próximo a 41 °C). Sua visão já estava ficando turva quando o camelo é parado pelas rédeas.

Nádia: Huuum... Estamos sem vento... - Você sequer responde àquela altura. Sua cabeça parecia sofrer os efeitos do calor extremo. Ela, então, desce do camelo (que se deita sobre os joelhos para permitir que ela saísse) e então ela pega uma vareta e começa a fazer algumas inscrições na areia. Em seguida, ajoelha-se e toca o ouvido no solo.

Para você, de fora, parecia uma crendice sem sentido. Mas já havia ouvido falar. Como bom arqueólogo (Off: Estou te dando essa informação por conta da sua profissão), conhecia o método bawsala usado pelos nômades de se guiar pela areia. Após alguns minutos, ela se levanta, e sobe novamente no camelo.

Nádia: Haya! - Ela cutuca o camelo que resmunga e caminha por mais quinze minutos até que...

user posted image


Após subir e descer uma grande duna vocês encontram esse belíssimo cenário: um oásis. São raríssimos nas Dunas do Sol e muitos deles sequer são acessíveis. Pelos conhecimentos de Nádia você tinha chegado a uma fonte de sombra e água potável para reencher os reservatórios.

Nádia: Aconselho que passemos o dia aqui. Recuperamos as energias e seguimos amanhã. - Disse, cutucando o camelo para deitar-se novamente sobre os joelhos e possibilitar que eles descessem.

Qual a decisão? Se decidir ficar, conte no próximo post as reações de seu personagem nesses primeiros cinco dias de viagem. Como lidou com a falta d'água e os efeitos do sol no quinto dia. E o que fez no restante do dia.

Rodada: #4
@Brutthus
mp
^
Brutthus
 Posted: Jul 8 2018, 07:33 PM
citar


Brutthus




Aventureiro



50 posts

Ficha

Brutthus is Offline

Estagiário




QUOTE (Off)
Irmão, quanto a letra vou tentar aumentar desde esse post aqui, não sei mecher em Html, então se não conseguir alterar nesse formato volto a postar sem formato mesmo que é mais simples.
Mas com relação a repostar as falas dos personagens essa é a unica forma que eu sei de fazer meu personagem reagir as situações sem perder o momento, pode perceber que eu só copio as falas e não sua narração, mas vou me esforçar para tentar melhorar, ainda estou narrando muito mal, mas acontece.


Atravessar o deserto não era uma tarefa fácil, principalmente quando estão em uma pequena caravana com apenas um camelo. O sol naquela situação afetava mais do que Dastan estaria acostumado, aquela viagem começava a se mostrar bastante diferente das que havia feito com seu pai e suas grandes caravanas.

Apesar de sua origem ser da própria Solaria, aquela exposição direta ao sol por cinco dias seguidos começava a afetar o arqueólogo, sua visão ficava turva, tinha náuseas constantemente, a cabeça doía e uma vez ou outra sentia como se fosse desmaiar, todos aquelas sintomas de uma desidratação profunda.

Dastan lutava contra aquela situação mas não havia muito o que pudesse fazer além de seu próprio esforço de se manter "de pé", a água estava escassa e não podia se dar ao luxo de continuar tomando-a sem considerar a viagem de retorno.

Dos quinze cantis que haviam levado restavam agora apenas 9 e daquela forma talvez não fossem o suficiente para a viagem de volta, por isso ambos concordaram em economizar o máximo que conseguissem.

"Não conseguiria chegar até as Dunas sozinho, preciso admitir! Mas talvez arranjasse alguém que cobrasse um pouco menos. Zhehaaaahaaahaahaaaa " Sorria enquanto tentava manter o bom humor apesar de seu estado.

Durante o quinto dia, Nádia notava uma mudança relativa nos ventos, subitamente parava o camelo e começava a escrever na área, método conhecido como bawsala. Era interessante para o arqueólogo vê-la fazendo algo desse tipo, mas aquela altura diante da grande desidratação que estava não tinha forças para sequer esbouçar uma palavra.

Não demorou muito e mais uma vez sobre o camelo recomeçavam a andar, durou mais ou menos quinze minutos até que chegassem ao Óasis, foram quinze minutos onde Dastan revezava entre consciência e inconsciência, se não fosse pela habilidade de Nádia, talvez não resistisse a mais um dia de caminhada no deserto.

Ao descerem do camelo, o rapaz ouviu Nádia falar algumas palavras, apenas consentia com a cabeça, talvez nem sequer tivesse entendido o que ela havia dito, só precisava chegar até uma pequena sombra próximo de onde estava e imediatamente ao chegar se recostava numa árvore e apagava por algumas horas.

Quando acordava ainda era dia, mas o calor havia diminuído devido a umidade do local, Dastan sentia que aos poucos sua energia ia retornando.

Dastan:
- Acho que começamos da forma errada, Nádia! Me chamo Dastan, não fomos propriamente apresentados! E desse dia em diante sou grato a você por ter me ajudado. - Sorria meio desconcertado - Precisamos tomar algumas providencias para continuar a viagem, vou encher os cantis vazios com a água corrente da cachoeira, mas seria bom encontrarmos algo que nos proporcione um pouco de sombra durante o dia. -

O resto do dia passaria enchendo os cantis com a água que caia da cachoeira, era corrente e portanto potável, afinal Dastan sabia que não seria uma boa opção beberam de águas paradas. Depois procuraria ao redor uma folha grande de palmeira ou algo do tipo que pudessem usar no dia seguinte sobre eles, como um "guarda-sol", de forma que minimizasse o sol incidindo sobre eles.
CHAPTER 1 ~ NEW BEGINNING


This post has been edited by Brutthus: Jul 8 2018, 07:34 PM
mp
^
T. Wall
 Posted: Jul 9 2018, 07:37 PM
citar


T. Wall




N/A



256 posts

Ficha

T. Wall is Offline

Narrador




user posted image


Quando você acorda, já havia uma fogueira feita e uma panela suspensa por alguns galhos posicionados como um triângulo ferventando água, a forma mais eficaz de obter água potável para beber e também de cozinhar alimentos.

Nádia estava mexendo na brasa, tomando uma espécie de chá numa cuia de barro com um canudo de metal, algo comum aos povos da areia. Quando percebe sua voz, ela desliza os olhos âmbares.

Nádia: Não se preocupe, Dastan, estou acostumado com a falta de confiança com meu povo... - Referia-se aos nômades. São tidos como povos traiçoeiros, embora sejam os únicos capazes de atravessar as Dunas do Sol em segurança. Relatos de caravanas engadas e deixadas para morrer no deserto ao longo dos anos são famosos. - E não tem o que agradecer, estou fazendo minha parte do trato. - Disse, sem muita cerimônia. Os nômades também são conhecidos por serem um povo árido, no sentido que arrematam poucas conversas desnecessárias, focados em seus objetivos.

Ela escuta a divisão de tarefas e logo se propõe:

Nádia: Posso usar as palhas de algumas árvores e arbustos próximos para fazer um abanador ou sombreiro. Pelo pouco tempo não vai ficar perfeito, mas vai estar feito antes do anoitecer... - Respondeu, já se levantando e desembainhando uma cimitarra. Ela gira a espada com habilidade ao redor do antebraço e então parte para algumas árvores próximas.

Após colher algumas palhas mais fácies de trançar, Nádia se sentou ao redor do fogo, enquanto você enchia os cantis. Ela comeu algumas rações e você também. E, em seguida, se colocou a trançar os fios das palhas. Em pouco tempo, dois abanadores que podiam ser usados como sombreiros estavam prontos, demonstrando mais uma grande habilidade da guia.

Em seguida, a noite caia e vocês estavam sentados ao redor do fogo. Ela olha incessantemente para ele, e então diz:

Nádia: Seria bom revesarmos os turnos de guarda durante a noite... Você não parece um forasteiro, apesar de não ter muito costume de andar pelo deserto. Kalifhar contratou-lhe para uma tarefa em específico? - Indagou-lhe. Agora, cabia a você o que contaria a ela ou não. (Off: Se quiser iniciar uma conversa sobre esse tema, agora é a hora. Do contrário, diga quem será o primeiro no turno de guarda).

Rodada: #5
@Brutthus
mp
^
Brutthus
 Posted: Jul 9 2018, 09:27 PM
citar


Brutthus




Aventureiro



50 posts

Ficha

Brutthus is Offline

Estagiário




Nádia compreendia o sentimento de Dastan, seu povo não era conhecido por serem confiáveis, também não eram os mais comunicáveis da região e isso ficava claro pela forma "sem delongas" que a garota respondia ao arqueólogo.

Mesmo estando muito agradecido a guia pela ajuda naquele momento de dificuldade, não podia simplesmente relevar a situação. Como bom arqueólogo, Dastan, sabia que existem muitas especulações e interesses cruzados quando se trata de ruínas e explorações, dessa forma, ainda não podia confiar completamente naquela mulher que o ajudara.

Antes do anoitecer ambos traçavam um plano para a continuação da expedição que aconteceria no dia seguinte, ao ouvir o plano de Dastan a garota consentia e sem pestanejar levantava, sacava sua cimitarra e com uma habilidade primorosa começava a cortar folhas de palmeira. Aqueles movimentos com cimitarra encantavam ao rapaz, afinal sabia dar valor a uma boa técnica de Esgrima.

"Essa com certeza não é uma guia qualquer! A essa altura apesar da sorte que tive me questiono seus interesses, ninguém aceitaria alguns milhares de Berries sabendo que alguns milhões estão logo ao lado." Com o canto dos olhos observava"Ainda não posso simplesmente abaixar a guarda."

Nádia tinha habilidades espantosas, ao final da tarde já havia terminado de trançar as palhas de Palmeira que havia colhido, tinha feito dois abanadores que serviriam para os proteger do sol enquanto marchassem no dia seguinte.

Dastan:
- Ficou realmente bom! Com certeza irá nos proteger do sol amanhã! - Sorria e com um movimento simples com a cabeça parabenizava a moça.

A noite caia e aquela altura a única luz além da lua era da fogueira que Nádia havia feito para ferver água. Após alguns minutos olhando para a fogueira incessantemente a garota propunha um revesamento de turnos de vigia para evitar possíveis eventualidades durante a noite, mas também perguntava sobre a exploração.

O arqueólogo tinha muitos motivos para não confiar naquela mulher, era oriunda de um posso nada confiável, havia escutado a conversa dele com Khalifar escondida, além é claro de não saber quais eram seus reais interesses, porém ela havia praticamente salvado sua vida, sem contar que talvez aquela fosse uma boa hora para testa-la.

Dastan:
- Eu assumo o primeiro turno! -dava um sorriso bobo - acabei descansando bem durante a tarde e posso segurar as primeiras horas enquanto você descansa. -esperava o consentimento da garota e então continuava a falar, virava-se em direção ao fogo e olhando diretamente para ele também- Desde pequeno sempre trabalhei como arqueólogo, Khalifar me pediu para encontrar algo específico para ele nas ruínas, não é algo de valor inestimado, mas é um item que somente alguém com o tato apurado possa encontrar. -

Durante cada palavra Dastan reparava nas atitudes da garota, seu jeito de se portar ao ouvir cada palavra daquela poderia entregar alguma ideia escondida, era tentando perceber qualquer informação que a garota pudesse passar imperceptivelmente que o arqueólogo dedicava sua atenção.
CHAPTER 1 ~ NEW BEGINNING


This post has been edited by Brutthus: Jul 9 2018, 09:29 PM
mp
^
T. Wall
 Posted: Jul 11 2018, 10:38 PM
citar


T. Wall




N/A



256 posts

Ficha

T. Wall is Offline

Narrador




Nádia consente com a decisão de Dastan de ser o primeiro no turno de guarda.

Levanta-se e pega um colchonete numa das bolsas carregadas pelo camelo. Estende-a próximo ao fogo, mas numa distância agradável, e então se deita, enrolando-se no forro do colchonete.

Nádia: Qualquer atividade estranha, não deixe de me chamar... tá bem? - Adverte a guia antes de fechar os olhos.

Cerca de quarenta minutos se passam. Dastan você percebe naquele momento, a beleza o céu de Solaria. A infinidade de estrelas no céu. Antigamente, os povos diziam que o céu é como se fosse um imenso mar onde também é possível navegar. Que existem ilhas acima das nuvens e lugares inimagináveis (Off: Estou lhe dando essa informação por conta da sua profissão).

Admirado pela beleza, você fica durante algum tempo sem muito o que fazer. A água corria lentamente. O camelo de vocês estava descansando amarrado numa palmeira mais grossa. Seu corpo lentamente vai sentindo o peso da noite a dentro e os olhos parecem pesar...



Nesse momento, você ouve um uivo. Um não, vários. Começa lentamente. Um aqui, outro acolá. De repente, no meio da noite, você observa olhos. Alguns deles. Faiscando no reflexo da fogueira, ao redor de vocês. Nádia, obviamente, acorda com o barulho já em estado de alerta.

Nádia: Coiotes da Areia... Deveria prever esses danadinhos próximos a fonte de água... São animais noturnos e andam sempre em bandos... - Ela saca a cimitarra, olhando para você: - Você sabe se proteger, não é? - Dizia ela, já ganhando suas costas. Com a vantagem do fogo vocês conseguem ver seis coiotes do deserto se aproximando.

user posted image


Ficam alguns segundos apenas observando vocês, rosnando. A baba escorrendo por entre os dentes afiados. De repente, dois deles atacam. Um vai na direção de Nádia e outro na sua, visando atacar com as garras dianteiras o seu tórax: O que você vai fazer?

QUOTE
Off: Só para ratificar, não uso dados. Toda minha narrativa é interpretativa. Levo em consideração os dados de sua ficha e o nível estimado dos monstros/inimigos que coloco no seu caminho. Sempre deixo com o jogador a bola para ação no seu post. Sintas-se livre para esquivar-se ou defender-se e atacar no post seguinte e por aí vai...

Dúvidas? MP!


Rodada: #6
@Brutthus
mp
^
Brutthus
 Posted: Jul 11 2018, 11:28 PM
citar


Brutthus




Aventureiro



50 posts

Ficha

Brutthus is Offline

Estagiário




Consentindo com a opinião de Dastan, Nádia se recolhia para descansar, pedia apenas que fosse acordada caso o rapaz notasse algo de estranho.

Com a noite sobe eles e a lua brilhando no céu o arqueólogo deitava com a barriga para cima e sua cabeça debruçada sobe suas mãos e então admirava um pouco daquela extensão interminável de estrelas.

"Ainda há muito o que conquistar nesse mundo!"
Erguia a mão e fazia um gesto como se fosse alcançar uma estrela e pudesse fecha-la entre os dedos.

Aquela altura o cansaço da viagem voltava a pesar e fazia com que parecesse ter duas bigornas sobre os olhos do arqueólogo que parecia sucumbir ao cansaço. Porém subitamente não apenas um, mas muitos uivos faziam o sono passasse instantaneamente.

Dastan:
- Você escutou também!? - Perguntava a Nádia que aquela altura já estava de pé também.

Dastan:
- Faço o que posso. - respondia a garota, sacava seu sabre e ficava pronto para o combate

Dastan podia ver mais ou menos seis pares de olhos reluzindo a luz da fogueira em meio a escuridão, daqueles dois pareciam fazer a primeira investida. Nádia de costas para Dastan protegia o rapaz de ataques inesperados e ele fazia o mesmo por ela. Dos dois primeiros Coiotes que atacavam o que vinha em direção ao arqueólogo fazia uma investida contra o torso do rapaz. Dastan consciente do pulo do animal, fazia um movimento rápido para baixo, deixando um joelho no chão e o outro flexionado sobre o pé, se abaixava o suficiente para evitar a investida do Coiote e com seu sabre esticado a frente do corpo usava aquele movimento para cortar o animal de fora a fora, erguendo sua espada e deixando que cortasse o animal por baixo.
CHAPTER 1 ~ NEW BEGINNING


This post has been edited by Brutthus: Jul 11 2018, 11:29 PM
mp
^
T. Wall
 Posted: Jul 13 2018, 02:33 PM
citar


T. Wall




N/A



256 posts

Ficha

T. Wall is Offline

Narrador




Num rápido movimento, Dastan tocava um dos joelhos no chão, abaixando-se e flexionando a outra perna. A tentativa era esquivar-se do coiote que o atacara com um salto e foi efetivo. Com a esquiva, abriu-se uma brecha para contra-atacar com seu sabre.

Com um golpe reto o aventureiro abre um corte na parte abdominal do coiote que cai no chão, gritando agudamente e escolhendo-se, deixando um rastro de sangue. Do outro lado, Nádia partia o crânio de outro coiote ao meio com dois golpes, após esquivar de uma bocada.

Nádia: Eles devem atacar em sequência, não abaixe a guarda! - Comentou a guia.

user posted image


Dois novos coiotes enfurecidos se apresentavam. Um deles vinha na sua direção, desta vez com a bocarra aberta tentando mordê-lo na altura da cintura. Enquanto isso, um segundo ia na direção de Nádia.

Como você reage?

Rodada: #07
@Brutthus
mp
^
Brutthus
 Posted: Jul 16 2018, 07:40 PM
citar


Brutthus




Aventureiro



50 posts

Ficha

Brutthus is Offline

Estagiário




Com um movimento rápido Dastan esquivava do primeiro coyote e também incapacitava o mesmo com um longo corte no abdomem do animal. Nádia também lidava com o coyote que a atacara e impressionava ainda mais ao arqueólogo.

"Quanto mais essa mulher tem para amostrar!?"]Se questionava.

Após o breve comentário da Guia, Dastan pôde ver que naquele momento um segundo coyote corria em sua direção.

Esse segundo atacante vinha em sua direção com a boca aberta tentando-o morder na altura da cintura, diante dos poucos segundos de reação, o arqueólogo sabia que a melhor forma de evitar aquele dano era rotacionando seu corpo. Segurando sua espada com a mão direita, Dastan esperava o lobo se aproximar para evitar o ataque do mesmo com uma rotação do corpo, dava uma leve passada a esquerda, tirando seu corpo ta direção do ataque do coyote e então girava sobe o pé esquerdo, aproveitando a oportunidade para tentar acertar uma espadada na nuca exposta do animal
CHAPTER 1 ~ NEW BEGINNING


This post has been edited by Brutthus: Jul 16 2018, 07:41 PM
mp
^
1 User(s) are reading this topic (1 Guests and 0 Anonymous Users)
0 Members:

Pages: (2) 1 2 
responder
novo tópico
fazer enquete